O site da Animais Curiosos utiliza cookies. Saiba mais sobre nossas Políticas de Cookies clicando aqui. Ao navegar você concorda com a sua utilização.
Saiba mais sobre os cookies em nossa Advertência Jurídica e Políticas de Privacidade

Gato Preto : Superstição que gera Abandono

Gato Preto : Superstição que gera Abandono

Gato preto dá azar? Cruzar com um gato preto dá mau agouro? Devido a pessoas que pensam assim, 70% dos gatos abandonados são pretos. Os números foram partilhados pela RSPCA, baseados em 1.000 gatos abandonados ao seu cuidado em 2014.

Gato preto: História

Para entendermos quando começaram as boas e más sortes associadas ao gato preto, temos de embarcar numa viagem com milênios de história, pelas raízes de várias culturas e religiões.

No antigo Egito, cerca de 3.000 a.C., os gatos eram vistos como seres divinos e venerados. Matar um gato era considerado um crime capital. Os egípcios tinham uma importante deusa, chamada Bastet que assumia a forma de um gato. Eles acreditavam que ela os favorecia se mantivessem um gato preto em casa.

Na mitologia Celta, uma fada tomou a forma de um gato preto. Acreditava-se que esta fada, chamada Cat Sith, tinha a habilidade de roubar a alma das pessoas mortas antes que os deuses as pudessem reclamar.

Esta crença fez com que os corpos dos falecidos fossem vigiados dia e noite para os proteger até ao funeral. Os escoceses até empregavam técnicas, como utilizar catnip (sim!) e saltar de um lado para o outro, para supostamente assustar a fada felina.

Na Pérsia, os gatos também eram venerados. Existia a crença de que matar um gato preto era matar um espírito amigo, cujo propósito era fazer companhia ao Homem durante a sua passagem pela Terra.

Na mitologia nórdica, Freya, a deusa do amor tinha como animais favoritos os gatos. Segundo a mitologia, a carroça da deusa era puxada por gatos, cujo pêlo era mais negro do que o céu noturno.

Os gatos pretos gozavam, geralmente, de muito boa reputação junto das religiões pagãs. Tal terá contribuído para a sua queda perante a ascensão da Igreja Católica na Idade Média, quando começaram a surgir as superstições e os mitos que ligavam estes gatos a bruxaria e demônios.

Estas superstições viriam a dar origem a sacrifícios de gatos pretos em larga escala, queimados vivos em fogueiras, afogados ou atirados do topo das muralhas.

Gato preto: A origem das superstições

Existem apenas pistas sobre a origem das superstições relacionadas aos gatos pretos. Não se sabe ao certo qual a origem dessas superstições e o porquê de associarem os gatos pretos a tudo o que fosse maligno.

Na idade média, também chamada de Idade das trevas, o estilo de vida dos gatos, com hábitos noturnos, o comportamento enigmático, olhos brilhantes na escuridão e o caminhar silencioso faziam deles criaturas suspeitas numa sociedade que suspeitava de tudo o que mexia.

As crenças religiosas suplantaram em larga escala o conhecimento científico e até supostos trabalhos sérios, feitos por Edward Topsel, sobre história natural afirmavam que os gatos (referidos como bestas) eram perigosos para o corpo e a alma.

O gato preto, em particular, tinha a capacidade de passar praticamente despercebidos durante a noite. Ora, não era esse um dom perfeito para espiar os devotos e executar os planos do demônio?

Gato preto: Perseguição Medieval

A perseguição medieval ao gato preto teria começado no século XIII, quando o Papa Gregório IX, em 1233, emitiu uma bula papal, que os historiadores acreditam ter sido o primeiro documento oficial da Igreja a condenar o gato preto. Nela, estes gatos são vistos como a incarnação de Satanás e o Papa dá a sua bênção à tortura e morte destes felinos.

Os Papas posteriores deram seguimento e continuaram a instruir inquisidores a queimarem os gatos vivos juntamente com as alegadas bruxas, nas fogueiras do Santo Ofício.

A única possível escapatória de um gato preto, aparentemente, era possuir alguma mancha branca no pêlo, em qualquer lugar do corpo, sendo um sinal dos anjos a indicar que aquele gato em particular não devia ser sacrificado.

Para o piorar ainda mais a situação, teve o aparecimento da peste negra, que começou a dizimar a Europa no século XIV.

Com isso, as pessoas, atribuíram a doença à ira de Deus. Para se redimirem e voltarem às Suas boas graças, sacrificavam mulheres acusadas de bruxaria e os respetivos gatos, especialmente os de pêlo negro.

Aliás, ter um gato preto em casa ou alimentar um na rua era prova suficiente em como aquela mulher era uma feiticeira. A ajuda animal era uma atividade bem perigosa naquela altura.

Bruxas que se transformavam em gato preto

A crença de que as bruxas tinham a capacidade de se transformar em gatos, passando assim despercebidas, pode ter tido origem numa lenda de Lincolnshire, Inglaterra.

Segundo reza a lenda, por volta de 1560, pai e filho estavam a caminhar numa noite sem luar, quando se cruzaram com um gato preto.

Decidiram arremessar pedras contra o animal e atingiram-no na pata esquerda. O gato, ferido, procurou refúgio no interior de uma casa que na altura se suspeitava pertencer a uma bruxa.

No dia seguinte, os dois cruzaram-se no mercado com a mulher que morava naquela casa. A mulher estava a mancar da perna esquerda e apresentava outros ferimentos… que os dois acharam ser mais que uma coincidência.

A partir desse dia, passou-se a acreditar que as bruxas se conseguiam transformar em gatos pretos durante a noite. Como pode imaginar, isso não ajudou nem as pobres mulheres, nem os pobres gatos.

Gato preto: Causas do abandono

Como já vimos, o folclore que rodeia os gatos pretos é muito variado de cultura para cultura.

Em alguns casos, são vistos de forma positiva e trazedores de boa sorte. Já em outros, má sorte e uma série de problemas. Em comum, quase todas associam-nos a todo o tipo de fenômenos sobrenaturais, atribuindo-lhes uma aura de magia e misticismo difícil de combater.

Muitas dessas superstições ainda existem hoje em dia, fato esse que causa o abandono de muitos gatos pretos, como já citado no início desse artigo.

gato preto e as superstições

Outra causa apontada, acredite se quiser, é a dificuldade dos donos desses animais não conseguirem tirar fotos com eles. Numa sociedade dominada pela exposição nas redes sociais e pelas selfies, ter um gato que parece sempre a silhueta de um gato, não parece cativar.

Algumas associações lançaram campanhas específicas para ajudar os gatos pretos.

Ignorar essas superstições pode parecer um desafio ao destino.

Gato preto : Conclusão

Como argumentado nesse artigo, pode-se concluir que essas superstições em volta dos gatos, principalmente os de pelagem escura, foram criadas a milênios atrás e não possuem nenhuma base científica, estudada, que traz sorte ou azar.
Precisamos deixar de lado essas crenças, apagar da memória, e acabarmos com o abandono desses animais, eles precisam de amor como todos os outros.

Agora é a hora de você mimar o seu gatinho e compartilhar esse artigo para mudar a cabeça do máximo de pessoas possível.

Envie seu comentário

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE